Sistema de trens leves de Calgary

 

Sistema municipal de trens leves de Calgary usa a plataforma de videovigilância Omnicast, da Genetec, para manter os passageiros seguros

In 1981, a cidade de Calgary, na província de Alberta, Canadá, inaugurou o primeiro ramo de sua rede de trens leves (LRT) para visitantes e moradores. Hoje, a rede tem mais que o dobro do número inicial de estações, mais dois braços e transporta cerca de 95 milhões de passageiros por ano. O sistema de transporte, agora popularmente conhecido por “CTrain”, tem 38 estações e mais de 46 km. Seus três braços operam da 7th Avenue, que corta o centro da cidade, e o trecho abrangendo dez estações nas áreas de maior densidade populacional é uma zona de tarifa gratuita que reduz o congestionamento no coração de Alberta.

O desafio

Quando de sua criação, a rede CTrain instalou um sistema de CCTV com uma matriz de câmeras analógicas transmitindo vídeo para fitas – posteriormente substituídas por DVRs – que processavam e arquivavam toda a filmagem A cidade de Calgary recentemente determinou que, além de estar tecnologicamente ultrapassado e oferecer uma interface limitada, o sistema estava chegando ao fim de sua vida útil, e preocupações com a possibilidade de ocorrência de uma falha séria levou os decisores a procurar uma nova solução.

Há desafios inerentes ao monitoramento e fornecimento de passagem segura para os passageiros da CTrain. Por sua própria natureza, ambientes de grande trânsito de pessoas têm ritmo necessariamente acelerado, e o objetivo é oferecer segurança sem prejudicar a pontualidade e o tempo de viagem. Além disso, a diferente localização das várias estações requer um sistema que possa redirecionar dados para uma um só ponto, para possibilitar o monitoramento eficaz e a avaliação do CTrain como um todo.

Por sua própria natureza, ambientes de grande trânsito de pessoas têm ritmo necessariamente acelerado, e o objetivo é oferecer segurança sem prejudicar a pontualidade e o tempo de viagem.

As necessidades do usuário final

Diversos atributos eram essenciais na busca por um novo sistema de videovigilância. Calgary precisava de um sistema com plataforma aberta que garantisse flexibilidade máxima sob modelos de compra rigorosos, além de um produto de software comprovadamente eficaz, que se integrasse com facilidade a sua parede de monitores e fosse executado em diversas estações de trabalho. O CTrain também requeria uma grande quantidade de opções de configuração de software e capacidade de crescimento fácil, na medida em que novas estações de transporte fossem acrescentadas, refletindo a expansão constante das linhas.

Definiu-se que o mais adequado seria uma solução IP, que reduziria os custos de infraestrutura de um sistema distribuído entre diversos locais físicos (ou seja, as estações) e obter mais

segurança. Um benefício adicional seria a criação de uma rede robusta. Essa rede não só serviria de estrutura para a plataforma de segurança, mas também facilitaria a evolução do sistema CTrain. A rede proporcionaria uma espinha dorsal tecnologicamente avançada na qual todos os aspectos da gestão do CTrain poderiam interagir sem percalços.

Calgary emitiu uma solicitação de proposta para conhecer as opções disponíveis. Depois de avaliar as necessidades da cidade e as dificuldades típicas de um ambiente de grande trânsito, a Contava, integrador de soluções integradas da Genetec na categoria Elite, submeteu uma cotação com base na plataforma de videovigilância Omnicast. Após avaliações cuidadosas, a Calgary selecionou a Contava para o design e implementação da nova solução de segurança.

“Considerando-se a solução entregue nesse prazo curto, esse foi o projeto de segurança mais bem-sucedido de todos os tempos”, observa David Sime, diretor de operações da Contava.

A solução perfeita

Assim que o projeto foi aprovado, projetou-se o sistema Omnicast, procedendo-se a ajustes nas estações e à instalação de câmeras. No total, o processo durou nove meses. “Considerando-se a solução entregue nesse prazo curto, esse foi o projeto de segurança mais bem-sucedido de todos os tempos”, observa David Sime, diretor de operações da Contava. O Omnicast foi instalado como um sistema de videovigilância isolado no Security Center, a plataforma unificada de segurança da Genetec, para proporcionar uma interface de usuário com o maior número possível de opções de expansão, incluindo a possibilidade de controle de acesso no futuro.

O sistema CTrain utiliza 471 câmeras megapixel Panasonic WV-NW502S, com domos à proa de vandalismo e com capacidade de gravação no padrão H.264. Outras 23 câmeras PTZ (pan tilt zoom) Panasonic WV-NW964, capazes de operar em ambientes externos, completam o arsenal. Codificadores Panasonic WJ-GXE500 com capacidade de compressão no padrão H.264 são utilizadas onde necessário. Isso representa economia de custos para Calgary, graças ao uso de câmeras analógicas da solução anterior. O sistema é hospedado em servidores Dell R510 e R410, que possibilitam o arquivamento distribuído nas estações e oferece uma capacidade de gravação significativa – 30 FPS (quadros por segundo) por 30 dias para a rede inteira.

Além disso, o data center de TI da prefeitura armazena arquivos de vídeo centralizados de failover e diretórios redundantes, e a própria camada central da rede é redundante e está configurada em uma arquitetura de múltiplos anéis. Nos horários de funcionamento do CTrain, três operadores monitoram em tempo real a vasta coleção de feeds de vídeo enviadas pelas

câmeras, a partir de um local centralizado com uma matriz de 2 x 9 monitores Mitsubishi VS-L46SM70U LCD sem bisel de 46 polegadas. É possível acessar os dados do sistema no OCC (Centro de Controle de Operações) na secretaria de segurança pública de Calgary para acompanhar os operadores, e a polícia pode usar essa instalação para solicitar dados de vigilância para investigações. O sistema também é capaz de oferecer acesso a vídeo fora do local para a polícia em casos em que o tempo de resposta é importante, e avaliações do impacto sobre a privacidade estão sendo realizados na análise da viabilidade dessa opção. Uma solução de acesso Citrix está configurada para permitir manutenção remota do sistema.

“Uma das maiores vantagens da escolha do Omnicast é sua flexibilidade”, avalia Colin Adderley, gerente de projeto do sistema de CCTV da cidade de Calgary. “A flexibilidade do design da arquitetura do sistema nos permitiu reduzir ao mínimo o número de pontos únicos de falha em todas as partes do sistema. E a arquitetura aberta nos possibilita usar nossas câmeras “do dia” para fazer ajustes com base na concorrência entre fornecedores ao longo dos diferentes ciclos de vida dos produtos”, observa ele. “Além disso, o sistema como um todo tem um custo por câmera menor e, com isso, conseguimos ampliar ao máximo a nossa cobertura com os recursos financeiros disponíveis.”

“A flexibilidade do design da arquitetura do sistema nos permitiu reduzir ao mínimo o número de pontos únicos de falha em todas as partes do sistema.", avalia Colin Adderley, gerente de projeto do sistema de CCTV da cidade de Calgary.

A plataforma Omnicast se integra com outros sistemas para simplificar as operações do CTrain. O Active Directory está integrado, para administrar e organizar eficientemente os perfis de usuário. O monitoramento com protocolo SNMP também está habilitado, para fornecer uma camada extra de confiabilidade alertando tanto os operadores quanto a Contava se algum dispositivo em rede apresentar um defeito ou problema permanente. E, o que é mais importante, o Omnicast foi integrado ao sistema SCADA (sistema de supervisão e aquisição de dados) do CTrain. O SCADA controla a interação dos operadores com vários eventos, muitas vezes mecânicos, incluindo a movimentação de elevadores e escadas rolantes, e a resposta a chamadas de ajuda nos telefones das estações. Com a integração ao Omnicast, o SCADA direciona alertas ou solicitações por meio de um interface serial com a parede de vídeo e o operador. O Omnicast também responde ao SCADA confirmando o recebimento de alertas de vídeo e possibilitando ao operador controlar remotamente os sistemas via SCADA. Esse processo é necessário, conforme uma política de segurança de civis, antes de o sistema permitir, por exemplo, a movimentação de um elevador.

A escolha do Omnicast para atender a suas necessidades de videovigilância proporcionou diversas vantagens ao CTrain de Calgary, na comparação com o sistema anterior. “O novo sistema é muito diferente do antigo, tão diferentes que é possível dizer que todos os recursos são novos”, afirma Sime, da Contava. Depois do fim do treinamento, a usabilidade geral da plataforma se mostrou valiosíssima para ajudar os operadores a gerenciar um sistema tão grande, usado sobretudo para monitorar em tempo real o acesso do público ao espaço e documentar investigações de incidentes, quando necessário.

A interface de mapa também permite que os operadores identifiquem a localização das câmeras com rapidez e facilidade, sem precisar consultar uma folha de dados complicada e volumosa. Ferramentas analíticas de vídeo também foram integradas ao sistemas, habilitando o disparo automático de alarmes para assistir no monitoramento desse enorme volume de feeds e ajustar o uso de fluxos de vídeo em alta definição. Outras ferramentas analíticas, como alarmes de acesso não autorizado, estão sendo consideradas para implantação futura.

“Isso, associado à configurabilidade e à flexibilidade do sistema, melhorou nossos processos em várias áreas, de compra e consolidação de hardware à configuração granular de permissões e medições de desempenho.”

Os benefícios

Desde a transição de um sistema analógico estático e sem capacidade de resposta, o CTrain definiu uma estratégia “em praticamente todas as direções, um luxo que não tínhamos antes”, comenta Adderley. “Isso, associado à configurabilidade e à flexibilidade do sistema, melhorou nossos processos em várias áreas, de compra e consolidação de hardware à configuração granular de permissões e medições de desempenho.” O feedback é positivo, destacando a alta qualidade das imagens gravadas pelo sistema e a facilidade de recuperação de informações. Isso possibilitou o uso das imagens em observações da operação, como a verificação dos horários de chegada dos trens ou a avaliação do funcionamento das interconexões.

À parte as estratégias auxiliares, porém, a grande conquista do novo sistema do CTrain é o aumento da segurança que proporcionou. Imagens com melhor resolução desempenharam papel fundamental na identificação de pessoas que cometeram crimes, e a alta navegabilidade do sistema permite a imediata disponibilização de imagens para a polícia. Uma plataforma com esse nível de confiabilidade, certeza e tempo de resposta é algo absolutamente valioso para uma organização como o sistema de transporte público de Calgary. Proporciona sensação de segurança aos usuários dos trens, que vêm os efeitos de um sistema com resposta imediata e acreditam que a organização está equipada para mantê-los seguros.

“Vimos instalações dos sistema Genetec funcionando bem em aeroportos internacionais e shopping centers gigantescos, o que assegura que a plataforma é comprovadamente eficaz e escalonável”, pontua Sime. “Além disso, a nosso ver, a Genetec oferece a melhor interface para operadores na exibição e no gerenciamento das gravações de vídeo, e a combinação desses dois fatores — escalabilidade para a arquitetura corporativa e usabilidade — cria um sistema que não é apenas a solução ideal para áreas de trânsito intenso de pessoas, mas simplesmente a mais sólida plataforma de gerenciamento de vídeo do mercado na atualidade.”