Por que os grandes bancos estão transferindo vídeos para a nuvem?

janeiro 18, 2021

Quando se trata de bancos de grande porte com agências espalhadas pelo país ou ao redor do mundo, o gerenciamento de sistemas de segurança legados díspares é uma preocupação cada vez mais premente.

Nossos clientes do setor bancário, com frequência nos relatam sobre a importância de implementar uma plataforma unificada e o papel fundamental que a migração para uma solução de videovigilância baseada na nuvem, desempenhou em suas operações.

Dois dos principais desafios são a falta de recursos de TI e orçamentos cada vez mais reduzidos. Em particular, os bancos de grande porte estão procurando maneiras de contornar suas limitações com recursos de TI para que as equipes possam se concentrar nas atividades de negócios mais importantes.

Para resolver isso, um número crescente de instituições financeiras está procurando migrar sua videovigilância para a nuvem.  

Quais são os desafios que os grandes bancos enfrentam hoje? 

Bancos de grande porte lidam com bilhões de dólares em investimentos, receitas e economias. Além disso, eles também gerenciam grandes quantidades de informações privadas, incluindo dados capturados por seus sistemas de videovigilância.

Por décadas, os bancos têm usado soluções legadas para remendar seus sistemas de segurança física. Essa abordagem de segurança isolada não consegue acompanhar as mudanças nas necessidades dos clientes, nem o cenário de ameaças em constante mutação com o qual os bancos estão lidando hoje. Esses sistemas agora representam um sério desafio, pois os bancos trabalham para se proteger contra o aumento das ameaças cibernéticas e procuram se utilizar de análises para melhorar as operações.

Uma abordagem de isolamento também impediu os bancos de gerenciar sua infraestrutura de rede de forma centralizada, bem como de coordenar as operações em todos os locais. E é essa falta de uma visão global que torna difícil aos bancos aproveitarem efetivamente os dados de segurança física e garantir um nível consistente de cybersecurity em todas as agências.

Como os bancos enfrentam desafios associados a operações dispersas?

A realidade é que um upgrade da infraestrutura existente em cada agência pode ficar absurdamente caro. Os custos podem implicar o fim da vida útil do hardware existente, modificações estruturais on-site, aquisição de novos sistemas, alocação de espaço adicional para servidores e mão de obra para cada fase do upgrade.

Os bancos precisam desenvolver uma estratégia abrangente para enfrentar os desafios associados a se ter uma série de agências espalhadas por um território ou ao redor do mundo. Uma abordagem em duas etapas que envolve a unificação de sistemas e a migração de operações para a nuvem daria a eles maior controle, resultando em economia de dinheiro e melhora na eficiência operacional.

Por que os bancos precisam unificar seus sistemas?

Sem uma solução unificada, os grandes bancos têm dificuldade para visualizar todos os equipamentos que possuem ou para determinar se estão atendendo aos requisitos de cybersecurity em todas as agências. A implementação de uma plataforma de segurança unificada como o GenetecTM Security Center, permite o monitoramento centralizado e maior controle sobre o gerenciamento dos sistemas de segurança física em cada local.

Isso significa que um banco pode monitorar as operações em todas as suas agências, incluindo locais remotos e isolados, sem interrupções, e garantir que padrões consistentes de cybersecurity sejam mantidos a todo momento.

Um sistema unificado também ajuda as equipes de segurança e a aplicação da lei durante uma investigação pós-evento.

Com sistemas díspares, extrair vídeo para uma investigação demanda muito trabalho e fica sujeito a erro humano. Quando um incidente ocorre em uma agência, a equipe de segurança necessita analisar horas de vídeo de várias câmeras para identificar e coletar as imagens de que precisam. Esse processo é ainda mais difícil e demorado quando uma investigação exige a visualização de vídeos de várias agências.

Quando um banco implanta uma solução unificada, o sistema pode associar automaticamente vídeo e outros fluxos de dados, como controle de acesso. Isso reduz o tempo necessário para localizar e cruzar informações e elimina o erro humano. O processo de evidência também é bastante simplificado quando envolve vários locais, porque o próprio sistema pode pesquisar e cruzar feeds de vídeo e outros dados de cada agência.

Conheça nossas soluções para instituições bancárias e financeiras aqui.

Como a migração para a nuvem ajuda?

Uma solução de gerenciamento de vídeo baseada na nuvem (VMS) como o Genetec StratocastTM, reduz os custos iniciais e totais de propriedade de VMS e também fornece escalabilidade de longo prazo. Ao contrário das soluções VMS locais, um verdadeiro VMS baseado na nuvem - que não usa servidores de armazenamento - protege agências dispersas sem a necessidade de planejamento preciso ou investimento em infraestrutura cara. Ele também fornece recursos de monitoramento centralizado quando o vídeo é conectado de volta ao head-end de um banco.

Migrar para a nuvem significa que os bancos não precisam comprar, manter ou desativar o equipamento após o fim da vida útil. Além de reduzir custos, isso também poupa tempo para as sobrecarregadas equipes de TI.

Ao eliminar a infraestrutura de armazenamento, os bancos podem reduzir os custos com eletricidade e espaço físico. Isso pode representar um peso significativo para agências situadas em cidades onde a valorização imobiliária é alta. Quando você considera quanto uma agência paga por metro quadrado na cidade de Nova York, por exemplo, eliminar a necessidade de uma sala de servidor dedicada pode representar uma grande economia. Tudo isso é então multiplicado muitas vezes para cada servidor em cada agência da rede de um banco.

Em termos de escalabilidade, um VMS baseado na nuvem permite que os bancos escalem seu sistema conforme as necessidades individuais de suas agências se apresentam. Os bancos podem evitar a super ou subalocação de recursos planejados, pagando apenas pela quantidade de armazenamento na nuvem que realmente usam. E, conforme as necessidades de negócios mudam, eles podem adicionar ou remover câmeras facilmente e escolher a resolução e o armazenamento que melhor atendam às necessidades de cada momento.

Quais são as vantagens de cybersecurity ao migrar para a nuvem? 

Migrar para a nuvem também ajuda os bancos a proteger seus dados de vídeo contra perdas e ameaças cibernéticas. Quando armazenadas externamente, as imagens de vídeo de um banco ficam protegidas de adulteração e estão sempre disponíveis, mesmo em caso de falha do hardware local. E, como os data centers mantêm três cópias locais de todos os dados, as soluções na nuvem garantem que qualquer vídeo armazenado na nuvem jamais seja perdido.

Quando se trata de melhorar a cybersecurity, a migração para um VMS baseado na nuvem significa que os bancos obtêm criptografia de vídeo de ponta a ponta, tanto na transferência de dados de seu local para a nuvem quanto em repouso. E, como todos os vídeos são armazenados externamente, em vez de em um servidor físico, os dados valiosos de um banco são mantidos fora do alcance de cibercriminosos que tentam roubar, destruir ou adulterar imagens armazenadas localmente.

Com um VMS baseado na nuvem, os aprimoramentos do aplicativo também podem ser implantados de forma ininterrupta em tempo real. Para os bancos, significa que podem ter a certeza de que suas soluções de VMS estarão sempre atualizadas com as correções e medidas de cybersecurity mais recentes.

Pensando em migrar suas operações bancárias para a nuvem?

Saiba como o Genetec Stratocast pode ajudar.

Security Center