Segurança nos aeroportos em um mundo pós COVID 19

dezembro 17, 2020

Aeroportos em todo o mundo se depararam com uma mudança repentina que os desviou de sua rota normal. A pandemia da COVID-19 resultou em uma mudança radical nas operações aeroportuárias. De acordo com a ACI World, o tráfego global de passageiros havia caído a uma taxa sem precedentes de -94,4% em abril de 2020 considerando o período de um ano. Os aeroportos agora lidam com incertezas e o desafio de tomar decisões urgentes, a fim de voltar à rota da forma mais rápida e tranquila possível.

Agora, mais do que nunca, os aeroportos contam uns com os outros para compartilhar conhecimento e melhores práticas de modo a garantir que todos estejam prontos para receber passageiros novamente. Para facilitar essa conversa, Jared Mossman, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Genetec, organizou duas mesas redondas fechadas com oito dos aeroportos mais importantes da América do Norte.  

Chicago O'Hare International Airport (ORD),

Denver International Airport (DIA)

JFK International Air Terminal (JFKIAT)

Seattle Tacoma International Airport (SEA)

Tampa International Airport (TPA)

Boston Logan International Airport (BOS)

Salt Lake City International Airport (SLC) 

Toronto Pearson International Airport (YYZ)  

O propósito do evento era reunir insights e compartilhar com outros aeroportos da região, as melhores práticas em relação às mudanças que estão ocorrendo. Durante a conversa, muitas questões interessantes foram discutidas, então decidimos compilar as respostas abaixo e compartilhar com um espectro mais abrangente da comunidade aeroportuária.

   

1. Quais são algumas das iniciativas que o seu aeroporto tomou para aumentar o nível de confiança dos passageiros e se preparar para uma reabertura segura? 

Todos os participantes do nosso painel tiveram as mesmas iniciativas básicas: aumentar o distanciamento em todos os pontos de recepção de passageiros, usando faixas de demarcação no piso e também alternando o uso de portões e pistas; disponibilizar vários totens de higienização de mãos em todos os terminais; instalar barreiras de proteção e placas de acrílico em todos os pontos de interação, como check-in e balcões de imigração, e também implementar métodos de higienização mais rigorosos em todo o aeroporto. 

Em particular, o Seattle Tacoma International Airport enfatizou a importância da presença visível da equipe de limpeza no aeroporto para ajudar a reconquistar a confiança dos passageiros. Como o foco dos aeroportos é a experiência do passageiro, oferecer um ambiente seguro desempenha um papel muito importante na reconstrução da confiança.

O uso de máscaras é obrigatório para os funcionários e aos passageiros é recomendado o uso de máscara, tanto nas dependências do aeroporto quanto no interior da aeronave, para inibir qualquer possibilidade de transmissão da COVID-19.   

2. Quais foram algumas das primeiras medidas quando seus aeroportos se depararam com o lockdown e a proibição de transportar passageiros?

Os efeitos da COVID-19 surpreenderam a muitos e, por isso, foram necessários planos de resiliência e recuperação em caráter de urgência, visando estabelecer uma direção mais clara para políticas recém-criadas e os novos rumos para os aeroportos, não apenas para passageiros, mas também para funcionários. O JFKIAT e o Boston Logan Airport explicaram que formaram uma equipe de funcionários dedicada para gerenciar melhor as preocupações e planos de ação relacionados à COVID-19.

O JFKIAT disse que criou grupos de trabalho para discutir ideias voltadas a oferecer melhor assistência a funcionários, passageiros e arrendatários em seus terminais, durante este período de mudanças.

O Boston Logan Airport explicou que a equipe recém-constituída do Project Management Office dentro do aeroporto, atua como um consultor-chave para o conselho executivo na tomada de decisões relacionadas à COVID-19, ao mesmo tempo que ajuda diferentes departamentos a otimizar e coordenar planos para evitar qualquer trabalho em duplicidade relacionado ao tema.  

3. Quais mudanças importantes nos processos ou procedimentos foram realizadas em seu aeroporto?

Todos os participantes afirmaram que as mudanças de procedimentos dependem muito das políticas e regulamentações do governo local. Portanto, os aeroportos devem adaptar seus procedimentos de acordo com as orientações recebidas, para garantir o cumprimento da legislação local.

O Salt Lake City Airport e Tampa Airport apontaram o aumento das restrições em torno do acesso ao aeroporto, limitando a entrada de passageiros, equipes de assistência e funcionários portando crachás, para reduzir as aglomerações na área.

O Denver International Airport descreveu as mudanças temporárias em suas dependências, que incluiu suspender o uso de ônibus para transportar funcionários da equipe de voo. "Não queríamos aglomerar funcionários em ônibus e criar problemas de saúde", explicou o palestrante do DIA. Isso levou a transformar o espaço do estacionamento econômico, situado próximo ao terminal principal, em estacionamento para facilitar o acesso de funcionários da equipe de voo e reduzir os pontos de contato, ao mesmo tempo em que o número de passageiros no aeroporto permanece limitado.   

4. Quais as principais mudanças tecnológicas e operacionais adotadas em seu aeroporto? 

O Denver International Airport falou sobre sua implementação de controle de acesso por reconhecimento facial em áreas de alta rotatividade, para ajudar a reduzir o contato e as chances de contaminação.

O Chicago O'Hare Airport demonstrou interesse no aplicativo móvel para funcionários que foi implantado no Denver International Airport, para passar informações e atualizações aos funcionários sobre mudanças nos procedimentos do aeroporto. Eles explicaram os benefícios que poderiam obter com essa solução, já que são mais de 40 mil funcionários para coordenar diariamente.

Foram realizados testes com câmeras térmicas para medir temperatura na maioria dos aeroportos, no entanto, tornou-se um desafio encontrar uma solução com baixo índice de falsos positivos. Portanto, nenhuma implementação específica nesse sentido foi realizada ainda.

O Toronto Pearson Airport compartilhou seus esforços para testar uma modalidade de viagem sem contato com os passageiros do check-in à decolagem, com a Air Canada. Esse trabalho segue em andamento, mas o Toronto Pearson acredita que este é o futuro das viagens e que provavelmente mais aeroportos e companhias aéreas adotarão a tecnologia sem contato.

     

5. Quais são os principais desafios enfrentados atualmente?

Entre os muitos desafios, um dos principais discutidos foi a capacidade de acompanhar e se adaptar às constantes mudanças nas regulamentações e políticas estabelecidas pelas autoridades.

Os participantes comentaram o difícil processo de registrar essas mudanças no papel e assiná-las, tendo ainda que realizar emendas e ajustes todos os dias.

Outro desafio para os aeroportos é decidir quanto dinheiro deve ser investido para resolver um problema, já que não se sabe exatamente por quanto tempo o mesmo terá relevância. Muitos aeroportos discutem sobre seus investimentos, enquanto tentam avaliar se a tecnologia pode ou não se tornar obsoleta em um curto período de tempo, dadas as constantes mudanças nas políticas e exigências.

Também está em discussão quem deve ser a autoridade responsável por fiscalizar o uso da máscara, o distanciamento físico e as medições da temperatura corporal. Quais stakeholders no aeroporto devem ser responsáveis por fazer cumprir essas regras e recomendações?  

6. Como determinam aquilo que faz mais sentido perante às constantes mudanças na regulamentação? Como manter o foco?

Como a maioria das mudanças determinadas estão fora de nosso controle, a flexibilidade parece ser o critério mais importante para possibilitar aos aeroportos passar por essa fase de incertezas.

No entanto, uma coisa é certa entre todos os aeroportos: eles estão determinados a entregar uma experiência positiva a todos os passageiros. Portanto, estão fazendo todo o necessário para oferecer uma viagem perfeita da decolagem ao desembarque, e isso inclui garantir que os passageiros se sintam seguros e confiantes durante todo o percurso.   

7. O que estão fazendo para nutrir a confiança da equipe no retorno ao trabalho? 

O Salt Lake City Airport cuidou das preocupações dos funcionários da linha de frente, disponibilizando equipamentos de proteção individual (EPI) de última geração, incluindo máscaras N95, óculos de segurança, protetores faciais e luvas. A mudança para novas instalações também proporcionou um ambiente de testes para melhorar ainda mais o layout e a configuração, para melhor atender aos padrões de higiene que beneficiam seus funcionários.

O Boston Logan explicou os diferentes rumos que seu aeroporto tomou, criando um rodízio para os funcionários dispostos a voltar ao trabalho de forma presencial. Cada unidade direciona uma pessoa por dia para a empresa. Esta iniciativa tem sido um sucesso, explicou o participante do painel, pois os funcionários se sentem mais preservados quando não há necessidade de comparecer à empresa todos os dias. Isso aumenta a sensação de segurança, enquanto nutre o sentimento de continuar envolvido com os acontecimentos na rotina do aeroporto.

O JFK Airport, por outro lado, implementou sua própria intranet para enviar notícias e atualizações de forma eficaz aos seus funcionários, já que a maioria continua em sistema de home office.    

8. Como estão trabalhando com os diferentes stakeholders dentro do aeroporto? 

Para garantir a saúde, segurança e proteção nos aeroportos, eles precisam de um forte elo de cooperação com agências governamentais, como Administração da Segurança de Transporte (TSA), Proteção de Alfândega e Fronteira (CBP) e Autoridade Canadense de Segurança do Transporte Aéreo (CATSA), para citar alguns.

Sendo assim, o Boston Logan Airport realiza reuniões virtuais diárias com seus stakeholders - incluindo companhias aéreas e funcionários do governo - para discutir fatores como contagem de passageiros e a quantidade de funcionários em serviço, e isso ajuda a aumentar a eficiência operacional.

Outros esforços colaborativos foram discutidos, incluindo o teste de novas tecnologias, como raios ultravioleta (UV) para desinfecção durante as checagens de bagagem de mão e câmeras térmicas para medição de temperatura dos passageiros.  

9. Quais tecnologias provavelmente continuarão em uso no longo prazo? 

Todos os participantes do painel concordaram de modo unânime que a tecnologia touchless, embora cara para implementar, é o futuro das viagens. Portões biométricos com recursos de reconhecimento facial e IDs de viagem virtuais, estão sendo testados ou gradualmente implantados em diferentes aeroportos para proporcionar uma jornada de viagem com menos contato para os passageiros.

O Salt Lake City Airport recebeu excelente feedback pela sua nova solução para sanitizar corrimãos giratórios em escadas rolantes. Eles acreditam que o retorno do investimento é extremamente alto, visto que é barato, de excelente visibilidade para os passageiros e muito eficaz. Portanto, esperam que o sistema permaneça relevante para suas operações no longo prazo, devido ao valor agregado para os passageiros.

Prevê-se também a digitalização de impressos, como panfletos promocionais para turistas. O Boston Logan Airport compartilhou suas iniciativas nesse assunto e foi além ao discutir sua intenção de converter a sinalética digital, que antes era touchscreen, em sistemas ativados por voz.   

10. Quais são algumas das lições aprendidas com toda essa experiência?

Uma forte colaboração e comunicação entre todos os stakeholders é essencial na rota de recuperação de um aeroporto.

Embora a tecnologia possa criar mais barreiras que ajudam a mitigar o risco de exposição ao vírus, ela por si só não é a cura. Garantir que a comunidade em geral esteja ciente da gravidade, para então fazer uso das medidas de autoproteção necessárias durante a permanência em espaços públicos, acabará por fazer a diferença. Como o representante do Seattle Tacoma Airport destacou, "Um passageiro consciente e bem-informado, é um passageiro feliz".

O Seattle Tacoma Airport e o Tampa Airport, enfatizaram os esforços significativos que empenharam para aumentar a conscientização da comunidade, usando blogues abertos, vídeos corporativos, artigos de agências nacionais de notícias para alcançar mais passageiros e a sinalética em todo o aeroporto.

Nosso representante do JFKIAT resumiu bem as principais conclusões: "Como estamos constantemente perseguindo isso, se tentarmos obter soluções de modo antecipado, estaremos sempre numa posição complicada. Portanto, faça o possível para manter um distanciamento e ambiente seguros para seus funcionários, continue pesquisando, fique atento às tecnologias disponíveis, veja o que os outros estão fazendo e siga colaborando. Isso é tudo que podemos fazer neste momento, porque estamos lidando com um alvo sempre em movimento".

Para mais informações sobre as soluções Genetec para aeroportos, acesse: Clique aqui.

Soluções para aeroportos
Solução unificada de segurança